quarta-feira, 25 de julho de 2012

Al Qaeda Taking Deadly New Role in Syria’s Conflict

CAIRO — It is the sort of image that has become a staple of the Syrian revolution, a video of masked men calling themselves the Free Syrian Army and brandishing AK-47s — with one unsettling difference. In the background hang two flags of Al Qaeda, white Arabic writing on a black field.
“We are now forming suicide cells to make jihad in the name of God,” said a speaker in the video using the classical Arabic favored by Al Qaeda.

The video, posted on YouTube, is one more bit of evidence that Al Qaeda and other Islamic extremists are doing their best to hijack the Syrian revolution, with a growing although still limited success that has American intelligence officials publicly concerned, and Iraqi officials next door openly alarmed.

While leaders of the Syrian political and military opposition continue to deny any role for the extremists, Al Qaeda has helped to change the nature of the conflict, injecting the weapon it perfected in Iraq — suicide bombings — into the battle against President Bashar al-Assad with growing frequency.

The evidence is mounting that Syria has become a magnet for Sunni extremists, including those operating under the banner of Al Qaeda. An important border crossing with Turkey that fell into Syrian rebels’ hands last week, Bab al-Hawa, has quickly become a jihadist congregating point.

The presence of jihadists in Syria has accelerated in recent days in part because of a convergence with the sectarian tensions across the country’s long border in Iraq. Al Qaeda, through an audio statement, has just made an undisguised bid to link its insurgency in Iraq with the revolution in Syria, depicting both as sectarian conflicts — Sunnis versus Shiites.

Iraqi officials said the extremists operating in Syria are in many cases the very same militants striking across their country. “We are 100 percent sure from security coordination with Syrian authorities that the wanted names that we have are the same wanted names that the Syrian authorities have, especially within the last three months,” Izzat al-Shahbandar — a close aide to the Iraqi prime minister, Nuri Kamal al-Maliki — said in an interview on Tuesday. “Al Qaeda that is operating in Iraq is the same as that which is operating in Syria,” he said.

One Qaeda operative, a 56-year-old known as Abu Thuha who lives in the Hawija district near Kirkuk in Iraq, spoke to an Iraqi reporter for The New York Times on Tuesday. “We have experience now fighting the Americans, and more experience now with the Syrian revolution,” he said. “Our big hope is to form a Syrian-Iraqi Islamic state for all Muslims, and then announce our war against Iran and Israel, and free Palestine.”

Although he is a low-level operative, his grandiose plans have been echoed by Al Nusra Front for the People of the Levant, which military and intelligence analysts say is the major Qaeda affiliate operating in Syria, with two other Qaeda-linked groups also claiming to be active there, the Abdullah Azzam Brigades and Al Baraa ibn Malik Martyrdom Brigade.

Since the start of the uprising, the Syrian government has sought to depict the opposition as dominated by Al Qaeda and jihadist allies, something the opposition has denied and independent observers said just was not true at the time. The uprising began as a peaceful protest movement and slowly turned into an armed battle in response to the government’s use of overwhelming lethal force.

Syrian state media routinely described every explosion as a suicide bombing — as they did with a bombing on July 18 that killed at least four high-ranking government officials.

Over time, though, Syria did become a draw for jihadists as the battle evolved into a sectarian war between a Sunni-dominated opposition and government and security forces dominated by the Alawite sect. Beginning in December, analysts began seeing what many thought really were suicide bombings.

Since then, there have been at least 35 car bombings and 10 confirmed suicide bombings, 4 of which have been claimed by Al Qaeda’s Nusra Front, according to data compiled by the Institute for the Study of War.

In some cases, such as on June 1, when a bomb struck at government security offices in Idlib, or on April 27, when a suicide bombing killed 11 people in Damascus, Al Nusra claimed credit for the attacks in postings on a jihadist Web site, according to the SITE monitoring group. Al Nusra also claimed responsibility for a June 30 attack on Al Ikhbariya TV, a pro-government station, which it said “was glorifying the tyrant day and night.” Seven media workers were killed, to international condemnation. Syrian opposition spokesmen denied any role.

In February, the United States’ director of national intelligence, James Clapper, told a Congressional hearing that there were “all the earmarks of an Al Qaeda-like attack” in a series of bombings against security and intelligence targets in Damascus. He and other intelligence community witnesses attributed that to the spread into Syria of the Iraqi branch of Al Qaeda.

Shortly before Mr. Clapper’s testimony, Ayman al-Zawahri, the apparent leader of Al Qaeda since the killing of Osama bin Laden, released an audio recording in which he praised the Syrian revolutionaries lavishly, calling them “the lions of the Levant,” a theme that has since been taken up repeatedly in public pronouncements by the group.

Daniel Byman, a counterterrorism expert who is a professor at Georgetown University and a fellow at the Brookings Institution, said it is clear that Al Qaeda is trying to become more active in Syria. As it has already done in Somalia and Mali, and before that in Chechnya and Yemen, the group is trying to turn a local conflict to its advantage. “There’s no question Al Qaeda wants to do that, and they are actually pretty good at this sort of thing,” he said. “They’ve done well at taking a local conflict” and taking it global.

They have done this by relying more on local fighters than on foreign ones, except at upper leadership levels — correcting a mistake that cost them credibility in the early years of the Iraqi conflict. “They learned a lot from Iraq,” Mr. Byman said. “They even write about this — they say, ‘We got on the wrong side of the locals.’ ” In Iraq, the government is led by the Shiite majority, while a Sunni minority has been Al Qaeda’s early breeding ground.

On Sunday, one day before a wave of 40 attacks across in Iraq, Abu Bakr al-Baghdadi, the pseudonymous leader of the group’s Iraqi affiliate, issued a rare audio statement, not only predicting the next day’s attacks, but also praising Syria’s revolutionaries. “You have taught the world lessons in courage, jihad and patience,” he said, according to a translation provided by the monitoring organization SITE.

Joseph Holliday, an analyst from the Institute for the Study of War who studies Al Qaeda and the Arab Spring, said, “The emergence of Al Qaeda-linked terrorist cells working against the regime poses risks to the United States and a challenge to those calling for material support of the armed opposition.”

He added: “It’s something to keep an eye out for, the convergence of Iraq and Syria. As the Syrian government loses the ability to project force on the periphery of its territory, what you’re going to see is an emboldened Sunni opposition emerging in Nineveh and Iraq.”

For the moment, though, the mainstream Syrian opposition is nearly uniform in its opposition to a role for Al Qaeda in its popular uprising.

“Every now and then, we hear about Al Qaeda in Syria, but there is so far no material evidence that they are here,” said Samir Nachar, a member of the executive bureau of the Syrian National Congress. “The regime has talked about it, and there were political statements from the Iraqi government that Al Qaeda has moved from Iraq to Syria, but on the ground there is no information on the presence of foreign fighters.”

In hard-pressed Deir Ezzor in eastern Syria, not far from the Iraqi border, a Free Syrian Army brigade leader, identified only as Sayid, said in an interview by Skype that he had heard rumors about Qaeda fighters, but had never actually seen one. In Deir Ezzor earlier this year, a massive truck bomb exploded near a military base — which the resistance attributed to the Assad regime, claiming it had bombed itself.

“If Al Qaeda comes to get rid of him,” Sayid said, referring to Mr. Assad, “why not? But I personally have seen none of them.”

É o tipo de imagem que já virou comum na revolução síria: um vídeo mostrando homens mascarados que dizem ser do Exército Sírio Livre, brandindo AK-47s. Mas há uma diferença preocupante. No pano de fundo estão penduradas duas bandeiras da Al Qaeda, com escritos brancos em árabe sobre um fundo preto.

"Estamos formando células suicidas para travar a jihad em nome de Deus", disse uma voz no vídeo, usando o árabe clássico em que a Al Qaeda costuma se expressar.

Postado no YouTube, o vídeo é mais uma evidência de que a Al Qaeda e outros extremistas islâmicos estão fazendo o melhor que podem para pegar carona na revolução síria, com um grau de sucesso crescente, embora ainda limitado, que está deixando autoridades de segurança americanas publicamente preocupadas e as autoridades do vizinho Iraque abertamente alarmadas.

Enquanto líderes da oposição política e militar síria continuam a negar qualquer participação dos extremistas, a Al Qaeda vem ajudando a mudar a natureza do conflito, com frequência crescente injetando na batalha contra o presidente Bashar Assad a arma que ela aperfeiçoou no Iraque: explosões suicidas. Há evidências crescentes de que a Síria se converteu em imã para extremistas sunitas, incluindo os que operam sob a bandeira da Al Qaeda. Um importante posto de travessia da fronteira turca que caiu nas mãos dos rebeldes sírios na semana passada, Bab al Hawa, rapidamente se converteu em ponto de congregação jihadista.

A presença de jihadistas na Síria vem se acelerando nos últimos dias, em parte devido a uma convergência com as tensões sectárias ao longo da comprida fronteira que o país divide com o Iraque. A Al Qaeda, através de uma declaração em áudio, acaba de lançar uma tentativa aberta de vincular sua insurgência no Iraque com a revolução na Síria, retratando as duas como conflitos sectários --sunitas contra xiitas.

Autoridades iraquianas disseram que os extremistas que operam na Síria são, em muitos casos, os mesmíssimos militantes que estão atacando em todo seu país. "Graças à coordenação de segurança com as autoridades sírias, temos 100% de certeza que os nomes procurados que temos são os mesmos nomes procurados que têm as autoridades sírias, especialmente nos últimos três meses", disse em entrevista na terça-feira Izzat al-Shahbandar, assessor próximo do primeiro-ministro iraquiano, Nouri al Maliki.

Um agente da Al Qaeda conhecido como Abu Thuha, de 56 anos e residente no distrito de Hawija, nas proximidades de Kirkuk, no Iraque, falou na terça-feira com um repórter iraquiano do "New York Times". "Agora temos experiência no combate aos americanos e mais experiência ainda, agora, com a revolução síria", ele falou. "Nossa grande esperança é formar um Estado islâmico sírio-iraquiano para todos os muçulmanos e então anunciar nossa guerra contra o Irã e Israel e libertar a Palestina."

Embora seja um agente de baixo escalão, seus planos grandiosos já foram ecoados pela Frente Al Nusra para o Povo do Levante, que, segundo analistas militares e de inteligência, é a principal organização filiada à Al Qaeda que está atuando na Síria. Dois outros grupos ligados à Al Qaeda, as Brigadas Abdullah Azzam e a Brigada do Martírio Al Baraa ibn Malik, também afirmam ser ativos no país.

Desde o início do levante o governo sírio vem procurando retratar a oposição como sendo dominada pela Al Qaeda e aliados jihadistas, acusação que a oposição vem rejeitando e que observadores independentes disseram simplesmente não ser verdade na época. O levante começou como movimento de protesto pacífico e aos poucos, em resposta ao uso de força letal avassaladora pelo governo, foi se convertendo em luta armada.

A mídia estatal síria rotineiramente descrevia toda explosão como atentado suicida, como fez com uma explosão em 18 de julho que matou pelo menos quatro funcionários de alto escalão do governo.

Com o tempo, porém, a Síria começou realmente a atrair jihadistas, na medida em que o conflito se converteu em uma guerra sectária entre uma oposição predominantemente sunita e o governo e as forças de segurança, dominados pela seita alauíta. A partir de dezembro, analistas começaram a enxergar o que muitos pensaram serem de fato ataques suicidas.

Desde então já houve pelo menos 35 explosões de carros e dez explosões suicidas confirmadas como tais, quatro das quais foram reivindicadas pela Frente Nusra, da Al Qaeda, de acordo com dados compilados pelo Instituto para o Estudo da Guerra. Em alguns casos, como em 1º de junho, quando uma bomba atingiu instalações de segurança do governo em Idlib, ou em 27 de abril, quando uma explosão suicida matou 11 pessoas em Damasco, a Al Nusra reivindicou os ataques em posts feitos em um site jihadista, segundo o grupo de monitoramento SITE. O grupo também reivindicou a autoria de um ataque em 30 de junho contra a TV pró-governo Al Ikhbariya, que, segundo alegou, "glorificava o tirano noite e dia". Sete profissionais de mídia foram mortos no ataque, recebido com condenação internacional. Porta-vozes da oposição síria negaram qualquer participação.

Em fevereiro o diretor de Inteligência Nacional dos EUA, James Clapper, disse em audiência no Congresso que havia "todas as características de um ataque ao estilo da Al Qaeda" em uma série de explosões de alvos de segurança e inteligência em Damasco. Ele e outras testemunhas da comunidade de inteligência atribuíram o fato à penetração na Síria do ramo iraquiano da Al Qaeda.

Pouco antes do depoimento de Clapper, Ayman al Zawahri, o líder aparente da Al Qaeda desde que Osama bin Laden foi morto, divulgou uma gravação em áudio em que elogiou fartamente os revolucionários sírios, descrevendo-os como "os leões do Levante", um tema que desde então vem sendo retomado várias vezes em pronunciamentos públicos do grupo.

O especialista em contraterrorismo Daniel Byman, professor da Universidade Georgetown e membro do Brookings Institution, disse que está claro que a Al Qaeda está tentando reforçar sua presença na Síria. Como já fez na Somália e no Mali, e, antes disso, na Tchetchênia e no Iêmen, o grupo está tentando tirar vantagem de um conflito local.

"Não há dúvida de que a Al Qaeda quer fazer isso, e, na realidade, ela é bastante boa nesse tipo de coisa", disse Byman. "Ela vem se mostrando hábil em aproveitar conflitos locais e globalizá-los."

Para isso, a Al Qaeda vem usando mais combatentes locais que estrangeiros, exceto nos níveis de liderança superiores --corrigindo um erro que lhe custou credibilidade nos primeiros anos do conflito iraquiano. "A Al Qaeda aprendeu muito com o Iraque", Byman explicou. "Ela chega a escrever sobre isso --a dizer 'provocamos o desagrado da população local'."

No domingo, um dia antes de uma onda de 40 explosões em vários pontos do Iraque, Abu Bakr al Baghdadi, líder da filiada iraquiana da Al Qaeda (esse é seu codinome), lançou uma rara declaração em áudio em que não apenas previu os ataques do dia seguinte como fez elogios fartos aos revolucionários da Síria.

"Vocês deram ao mundo lições de coragem, jihad e paciência", ele disse, de acordo com uma tradução do discurso feita pela organização de monitoramento SITE. Um ex-combatente da Al Qaeda entrevistado em Bagdá falou: "A Al Qaeda enviou 300 combatentes para se juntarem a uma força chamada Frente do Povo do Levante".

Joseph Holliday, analista do Instituto para o Estudo da Guerra e estudioso da Al Qaeda e da primavera árabe, comentou: "A emergência de células terroristas ligadas à Al Qaeda trabalhando contra o regime cria riscos para os Estados Unidos e representa um desafio para os setores que pedem apoio material à oposição armada".

Ele acrescentou: "A convergência de Iraque e Síria é algo para o qual devemos estar atentos. À medida que o governo sírio perde a capacidade de projetar força na periferia de seu território, veremos uma oposição sunita mais ousada emergindo em Nínive e no Iraque."

Por enquanto, porém, a oposição síria é quase unânime em opor-se a uma participação da Al Qaeda no levante popular.

"De vez em quando ouvimos falar da Al Qaeda na Síria, mas até agora não há provas concretas de que ela esteja aqui", falou Samir Nachar, membro do burô executivo do Congresso Nacional Sírio. "O regime já falou sobre isso, e houve declarações políticas do governo iraquiano dizendo que a Al Qaeda se deslocou do Iraque para a Síria, mas não há informações em campo sobre a presença de combatentes estrangeiros, Al Qaeda, árabes ou muçulmanos."

Na conturbada Deir Azzor, no leste da Síria, a pouca distância da fronteira do Iraque, um líder de brigada do Exército Sírio Livre identificado apenas como Sayid declarou em entrevista dada pelo Skype que já ouviu rumores sobre combatentes da Al Qaeda, mas nunca viu um de fato. Em Deir Azzor, este ano, um caminhão-bomba enorme explodiu perto de uma base militar. A resistência imediatamente atribuiu o fato ao próprio regime de Assad, alegando que o regime se atacou.

"Se a Al Qaeda vier para afastá-lo", disse Sayid, aludindo a Bashar Assad, "por que não? Mas eu, pessoalmente, não vi nenhum combatente dela."

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Douglas 'Tufão' brilhou

É uma brincadeira , diz Douglas sobre apelido de Tufão  Campeonato Brasileiro. O Timão venceu o Flamengo por 3 a 0 e marcou a ressurreição do  Douglas. O jogador estava sendo considerado fora de forma e desligado, tanto que ganhou o apelido de Tufão, personagem da novela Avenida Brasil. No entanto, ele aproveitou a chance como titular e marcou dois gols na vitória corintiana

O meia Douglas resolveu ontem para o Corinthians, no Engenhão, ante o Flamengo. Ridicularizado pelos torcedores antes do jogo por causa da sua forma física, ele fez os dois primeiros gols da vitória corintiana, por 3 a 0, ontem à noite, no Rio de Janeiro.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Anderson da Silva , o Corinthiano .

Anderson da Silva  nasceu em   São Paulo, 14 de abril de 1975     lutador brasileiro de artes marciais mistas especialista em Jiu-Jitsu. Ele é o atual campeão mundial da categoria peso médio do UFC. Com 15 vitórias seguidas e 10 defesas de título, Anderson é o dono da maior sequência de vitórias e de títulos de defesa na história do UFC. Ele é considerado o lutador médio número um do mundo e o melhor lutador do mundo por muitas publicações. O presidente do UFC, Dana White, considera o "Spider" como "o melhor artista de artes marciais de todos os tempos"

Nascido na cidade de São Paulo, mudou-se ainda pequeno para Curitiba, onde começou a treinar Taekwondo com 7 anos de idade,  esporte no qual tornou-se faixa preta aos 18 anos de idade. No Muay Thai, Anderson foi o segundo faixa preta formado pelo Mestre Fábio Noguchi em Curitiba.  Ele também é faixa preta em jiu-jitsu dos irmãos Nogueira (Minotauro e Minotouro).  A origem de seu apelido, Aranha, vem de um anuncio que citou o aranha por causa de uma camisa que usava no dia de um evento, minutos antes dele entrar no ringue e até hoje esse apelido perdura. Antes do Muay Thai, tentou ser jogador de futebol tendo feito um teste para o Corinthians.

Anderson Silva declara-se em sua biografia, escrita pelo jornalista Eduardo Ohata, Anderson Spider Silva, um homem um tanto afeminado pelo fato de tratar-se com cremes para a pele.

Carreira no MMA

A rigor, Anderson estreou em um torneio em forma de GP, no qual teria de lutar uma semifinal antes da final. Anderson foi o campeão desse GP, vencendo duas lutas. Depois fez várias lutas no Mecca, evento bem famoso naquela época. Suas boas exibições no Brasil lhe renderam uma chance de fazer lutas internacionais.

Sua estreia no Shooto foi contra o japonês "Tetsuji Kato". Anderson venceu a luta por decisão unânime. Depois voltou para o Brasil e venceu mais uma luta no Mecca. Com seguidas vitórias no cartel, Anderson teve a primeira grande oportunidade de disputar um cinturão de um torneio de grande reconhecimento na época, o Shooto. Anderson lutou pelo cinturão dos pesos médios do evento, em 2001, contra o japonês Hayato Sakurai e venceu a luta por decisão unânime dos juízes. Anderson enfim conquistava o seu primeiro cinturão em um grande evento de MMA.

Pride e outros eventos
Em 2002, Silva passou a lutar no Pride. Em sua primeira luta, no dia 23 de junho de 2002, venceu o americano Alex Steibling por nocaute técnico no primeiro round. Nas suas próximas duas lutas, Anderson permaneceu invencível, vencendo por decisão unânime o japonês Alexander Otsuka e o canadense Carlos Newton, ex-campeão do UFC. Nessa luta, Silva ganhou com uma joelhada fenomenal, depois de Newton tentar golpeá-lo no primeiro round.

No Pride 27, Silva enfrentou o japonês Daiju Takase, que, considerando seu cartel até então de quatro vitórias e sete derrotas, credenciava a Anderson um certo favoritismo, pois vinha de nove vitórias seguidas. Porém, o japonês conseguiu uma queda logo no início na luta, e conseguiu manter no chão até finalizar o brasileiro com um triângulo, finalizando-o aos oito minutos.

Após a derrota para Takase, Anderson Silva lutou em outros eventos. No Conquista Fight 1, venceu o brasileiro Waldir dos Anjos por nocaute técnico. Em 2004, lutou no Gladiator FC: Day 2, onde enfrentou o lutador Jeremy Horn (ex-desafiante de cinturão do UFC). Anderson obteve uma vitória por decisão unânime.

Em 2004, após ter conquistado o cinturão do Cage Rage em cima do inglês Lee Murray, Silva retornou ao Pride para enfrentar Ryo Chonan. Apesar de levar enorme vantagem na luta, Anderson foi surpreendido com uma finalização sensacional do japonês. Chonan conseguiu finalizar Anderson Silva no terceiro assalto após sofrer vários golpes durante a luta.

Cage Rage e derrota para Okami no Rumble on the Rock
Após a derrota, Anderson continuou a lutar no Cage Rage, e em outros eventos. Silva fez sua estreia no Cage Rage em Londres, na Inglaterra, onde logo lutou pelo cinturão do evento. Em 11 de setembro de 2004, no Cage Rage 8, Anderson lutou e derrotou Lee Murray na disputa por decisão unânime dos jurados e conquistou o segundo cinturão de expressão da sua carreira, o cinturão de pesos-médios do Cage Rage.

Depois de defender com sucesso duas vezes seu título no Cage Rage, respectivamente contra Jorge Rivera e Curtis Stout (ambos por decisão unânime), Anderson Silva lutou no Rumble on the Rock  contra Yushin Okami na primeira fase do torneio dos médios, no dia 20 de janeiro de 2006. Nesta luta, Anderson chutou o rosto de Okami em posição de guarda, que, pelas regras do evento, era proibido. O japonês poderia voltar à luta, mas prefiriu não continuar, o que resultou na desqualificação de Anderson Silva e na última derrota do brasileiro.

Após essa luta, Anderson lutou mais uma vez no Cage Rage, dessa vez contra o americano Tony Frykfund. Anderson logo dominou a luta e ganhou por nocaute (cotovelada) aos dois minutos do primeiro round. A luta foi pelo Cage Rage 16, no dia 22 de abril de 2006. Após essa luta, Anderson começou sua carreira ainda hoje invencível no UFC.

Carreira no UFC

Em 2006, Silva passou a combater no Ultimate Fighting Championship no evento Ultimate Fight Night 5 nos Estados Unidos. No dia 28 de junho de 2006, sua estreia, saiu vitorioso sobre Chris Leben, até então invencível. Anderson nocauteou-o aos 49 segundos do primeiro round, a luta mais rápida de sua carreira e uma das únicas que o lutador teve 100% de acuracidade. Nota-se que Anderson era um lutador até então relativamente pouco conhecido nos Estados Unidos, e que Leben previu que o mesmo ia nocautear Silva numa entrevista antes da luta.

Campeão dos pesos-médios
Depois da luta contra Leben, uma enquete no site do UFC foi feita para escolher quem seria o próximo oponente de Anderson. A maioria dos votos foi para o até então campeão dos pesos médios, Rich Franklin. Ao dia 14 de outubro de 2006, no UFC 64, Anderson Silva teve a oportunidade de disputar o cinturão da categoria de pesos médios no UFC, onde venceu no primeiro round de forma arrasadora. Essa luta é considerada como uma das melhores de sua carreira, pois Anderson mostrou fantásticos movimentos e golpes como joelhadas e chutes. Aos três minutos do primeiro round, Franklin esquivou-se de um dos socos de Anderson antes de cair no chão e decretar a vitória do brasileiro. Ele foi o segundo oponente que derrotou Franklin, depois de Lyoto Machida.

Defesas do Cinturão
Anderson Silva é considerado por muitas pessoas o melhor lutador de todos os tempos. Ele possui recordes mais knockdowns na história do UFC (quinze) e mais acuracidade no ringue (cerca de 68,5%). Ele se encontra invicto no UFC e possui quatorze vitórias seguidas no campeonato, incluindo onze vitórias de título e dez defesas de cinturão.

UFC 67

Em 3 de fevereiro de 2007, no UFC 67, Anderson estava programado para lutar contra o vencedor do reality show "The Ultimate Fighter 4" Travis Lutter. Essa seria sua primeira luta depois da sua defesa de cinturão contra Rich Franklin, em outubro de 2006. Contudo, o adversário se apresentou acima do limite do peso da categoria dos pesos médios (84 quilos) e a luta então não foi considerada como a principal. Nessa luta, muitas pessoas acreditavam que a melhor maneira de Lutter ganhar era mandando Anderson para o chão, mostrando suas habilidades de faixa-preta de jiu-jítsu. Anderson Silva, entretanto, venceu o adversário com uma combinação de triângulo e de cotoveladas no segundo assalto.

UFC 73
Na luta seguinte, no UFC 73, em 7 de julho de 2007, Anderson defendeu com sucesso seu título contra Nate Marquardt, vencendo por nocaute técnico em 4:50 do primeiro assalto. Anderson até então já tinha ganhado uma certa popularidade nos Estados Unidos, mas Nate possuía um certo favoritismo, principalmente por causa de sua habilidade de ganhar lutas no chão e por ter ganhado seis lutas seguidas. Essa foi a primeira derrota dele depois de lutar contra Ricardo Almeida (lutador).

UFC 77

Três meses depois, no dia 20 de outubro de 2007 no UFC 77, Anderson lutou uma revanche de defesa do título contra o americano Rich Franklin, lutador que havia perdido o título, em sua cidade natal, Cincinnati. Anderson defendeu seu cinturão ao derrotar Franklin por nocaute técnico no segundo round, onde surpreendeu todos ao mostrar suas habilidades de trocar e se esquivar com as mãos abaixadas. Essa foi considerada uma das suas melhoras lutas de todos os tempos e ganhou um bônus de nocaute da noite.

UFC 82
No dia 1 de março de 2008, no UFC 82, Silva lutou contra o campeão dos pesos médios do Pride Fighting Championships, Dan Henderson, em uma disputa de unificação de título (títulos do UFC e Pride). Novamente, muitas pessoas pensaram que Henderson poderia ganhar e teria uma certa vantagem no chão, mas Anderson defendeu o seu título ao derrotar Henderson com um mata-leão no segundo assalto. Essa foi uma surpresa porque Henderson havia completado as olimpíadas de 1992 e 1996 no estilo da luta greco-romana.

UFC Fight Night: Silva vs Irvin
Cerca de quatro meses depois, no "UFC Fight Night 4" em 19 de julho de 2008, Silva fez sua estreia nos meio-pesados contra James Irvin. Anderson venceu por nocaute no primeiro do primeiro round, mostrando leveza, rapidez e agressividade, mesmo lutando com um peso novo de noventa e três quilos. Anderson pegou a perna esquerda de Irvin com a sua mão esquerda e devolveu um soco direto que fez com que Irvin caísse no chão. Anderson finalizou a luta dando mais alguns socos em Irvin, que estava inconsciente.

UFC 90
Após a unificação dos títulos, em 25 de outubro de 2008 no UFC 90 em Chicago, Anderson Silva voltou a defender seu título dos médios, desta vez contra Patrick Côté. No terceiro assalto, Côté sentiu dores no joelho após desferir um chute. O árbitro Herb Dean declarou a luta encerrada pois Patrick Côté não poderia continuar a luta, e declarou vitória de Anderson Silva por nocaute técnico. 

Após a luta, Anderson foi criticado por parecer estar desviando contato de Côté. O próprio presidente do UFC, Dana White, censurou a atitude de Anderson, falando "Eu não entendi as táticas de Silva... Esse não foi o Anderson Silva que eu estou acostumado a ver nos últimos dois anos."

UFC 97
No dia 18 de abril de 2009, no UFC 97, Anderson lutou e venceu Thales Leites por decisão unânime, defendendo seu cinturão e obtendo sua nona vitória consecutiva no UFC, recorde do evento. Thales Leites foi o único homem até então na história do UFC a lutar com Anderson Silva nos cinco rounds seguidos até a decisão dos juízes. A multidão vaiou várias vezes o desempenho sem brilho de Anderson, sua expressão entediada e suas tentativas frustradas de incitar o seu adversário na luta. No quarto e quinto assalto, Anderson chegou a dançar e baixar a guarda, golpeando o adversário sem que houvesse retaliação. Após a luta, Dana White afirmou que estava "envergonhado" pela performance de Anderson, mas que ainda acreditava que ele era o melhor lutador de pound-for-pound do mundo.

UFC 101
No UFC 101, Silva mais uma vez lutou nos meio-pesados, desta vez contra o ex-campeão da categoria Forrest Griffin. Griffin foi derrubado três vezes no primeiro assalto. Após o terceiro knockdown, Forrest sinalizou que ele estava acabado, e Silva foi declarado vencedor por nocaute. Essa é considerada uma das melhores lutas de sua carreira, e ganhou o prêmio de "Beatdown of the Year" pela Sherdog.

Depois de derrotar Griffin, uma repórter do Yahoo! Sports alegou que o técnico de Anderson, Ed Soares, tinha confirmado que Anderson iria abandonar a categoria de pesos médios para passar para a de meio-pesado. Entretanto, o próprio Soares e um trabalhador do UFC negaram essa conversação: Anderson não iria abandonar seu título somente para lutar exclusivamente na categoria de meio-pesado.

UFC 112
Anderson era esperado para lutar contra Vitor Belfort no dia 2 de janeiro de 2010, no UFC 108. Porém, Ed Soares anunciou que a luta não iria ser realizada até Silva recuperar-se completamente da cirurgia. A luta então foi adiada para o dia 6 de fevereiro de 2010, no UFC 109. A luta, entretanto, estava dependente da saúde de Anderson, que, segundo o mesmo, "não estava bem como planejada". A luta foi cancelada devido à lenta recuperação de Anderson. Os dois iriam lutar novamente no dia 10 de abril de 2010 no UFC 112, mas foi cancelada novamente devido a um ferimento, agora com Belfort. Demian Maia foi selecionado para completar a vaga e lutar contra Anderson pelo cinturão.

Em Abu Dhabi, no UFC 112, Anderson ganhou do brasileiro Demian Maia por decisão unânime dos juízes. A luta foi criticada mundialmente pelo desleixo de Anderson durante a luta e pelo fato de não ter nocauteado o adversário. Anderson chegou a ser advertido pelo juiz por sua conduta, e no quinto round a plateia começou a apoiar Demian Maia, que parecia ser o único lutador que estava com vontade de partir para cima. O presidente do UFC Dana White disse que se sentia envergonhado e decepcionado com a apresentação de Anderson, após casar essa luta em um dos maiores evento de UFC da história, economicamente falando e principalmente por ter sido o evento de estréia em Abu Dhabi, onde se esperava um show e não uma luta daquela como evento principal.

Imediatamente depois da luta, Anderson desculpou-se e viu que ele não era o mesmo e que teria que correr atrás para reavaliar a humildade que tinha levado ele a onde ele estava agora. Depois de um certo tempo, Anderson fez várias referências do fato de como Maia o insultou antes da luta.

UFC 117: Silva vs Sonnen
Depois dessa luta, Anderson era esperado para lutar contra o americano Chael Sonnen para o cinturão dos pesos médios no UFC 117, no dia 7 de agosto de 2010. No primeiro round, Sonnen aturdiu Anderson com um soco depois de levá-lo para baixo e dominar na posição, dando vários golpes. Nos três rounds seguiram-se em um estilo similar, com Anderson indo para o chão cedo e Sonnen dominando dentro da guarda dele. No quinto round, Anderson caiu depois de ser marcado pelo gancho de esquerda de Sonnen, e o mesmo levou vantagem e novamente foi para cima, dando golpes a Anderson. Com cerca de dois minutos restantes, Anderson conseguiu um armlock após aplicar um triângulo de perna, forcando Sonnen a submeter-se aos três minutos e dez segundos do round 5. 

Anderson foi golpeado mais nessa luta do que em sua carreira inteira. De acordo com um banco de dados do CompuStrike, em todas suas lutas no UFC, Anderson foi golpeado 208 vezes. Somente nessa luta, Sonnen golpeou-o um total de 289 vezes. Depois da luta, foi revelado que Sonnen teria ganho numa decisão de juízes. Todos os três juízes marcaram Sonnen como o ganhador de todos os quatro rounds.

Nesta luta, Anderson afirmou ter lutado com a costela trincada, contra as recomendações de seu médico. Durante o primeiro round, Sonnen quebrou a costela e Anderson ficou fora dos ringues até 2011 por causa dessa injúria. Após a luta foi confirmado que Sonnen testou positivo para substâncias dopantes. Testes de doping revelaram que Sonnen tinha uma proporção elevada de testosterona no seu corpo na luta com Anderson (um resultado que é consistente com um terapia de relocação de testosterona), ou seja, ele foi "pego" no exame antidopping. Entretanto, a mesma companhia depois confirmou que os níveis de testosterona de Sonnen estavam condizentes. Dana White anunciou que Sonnen teria uma revanche com Anderson quando o mesmo retornasse. Esse fato foi revocado depois do problema dessas substâncias, mas White anunciou que Sonnen teria sua revanche depois de ganhar duas vitórias seguidas, que só aconteceria em 2012.

UFC 126
Sendo assim, Silva defendeu e manteve o cinturão dos médios no UFC 126, que aconteceu no dia 6 de fevereiro de 2011, em Las Vegas, onde ele lutou contra o compatriota Vítor Belfort. A luta durou pouco menos de quatro minutos. Nos dois primeiros minutos, Vitor e Anderson estavam preparando-se, e após isso eles começaram a trocação direta. Aos três minutos e vinte e cinco segundos, Belfort foi nocauteado por um forte chute frontal no rosto disparado por Silva, antes de alguns socos. Com a vitória, Anderson foi o primeiro lutador da história a ganhar de um nocaute de Vitor em vinte e oito lutas do mesmo.

UFC 134
Na cidade do Rio de Janeiro, no UFC 134, dia 27 de agosto de 2011, Anderson Silva mais uma vez defendeu seu título, desta vez contra Yushin Okami. Essa foi uma revanche entre os dois lutadores, uma vez que Okami foi o último lutador a vencer Anderson Silva. No segundo round, Anderson derrubou Okami duas vezes. Na segunda vez, Anderson golpeou o adversário e o nocauteou aos dois minutos e quatro segundos, defendendo assim seu título pela nona vez e vencendo sua décima quarta luta no UFC. Essa luta foi considerada uma das melhores de sua carreira, mostrando certa semelhança com a vitória dele sobre Forrest Griffin.

UFC 148: Silva vs Sonnen 2
Anderson Silva enfrentou novamente seu principal desafeto, o americano Chael Sonnen, numa revanche ocorrida no UFC 148, dia 7 de julho, em Las Vegas. O "Spider" já era considerado o grande favorito para vencer a luta, principalmente pelo fato de, na última luta entre eles, Anderson ter lutado com uma lesão na costela e ainda assim ter vencido, por finalização, o lutador americano, que na ocasião também caiu no exame anti-dopping e perdeu a moral de lutador que quase venceu Anderson Silva.

O clima pré-luta foi tenso. Após Anderson ter aceitado todas as críticas de Sonnen desde a última vez que eles confrontaram no ano de 2010, o lutador desabafou, xingando e provocando Sonnen em uma entrevista coletiva. Algumas de suas frases são:

"Eu vou bater nele, vou bater nele, ele vai tentar me agarrar, vou continuar batendo nele até ele desistir. Acho que a luta acaba no primeiro round. Não tem jogo nenhum. Acabou a brincadeira, ele pode ficar falando bobagem, mas acabou. Sábado, muita coisa vai mudar. Para ele me bater em pé tem que ser mágico, impossível me bater. Vocês não tão entendendo o que vai acontecer. O Chael (Sonnen), em outras palavras, está ferrado."

Nesse dia, Chael Sonnen permaneceu quieto, parecendo chocado com a reação repentina de Anderson (juntamente com todos da sala de imprensa, inclusive os dirigentes do UFC), mas depois de alguns dias o desafiante americano não ignorou a mágoa e não ficou desanimado e também provocou o brasileiro, falando que será o "seu funeral". O próprio presidente do UFC Dana White falou que está muito ansioso para o confronto, que vem sendo considerado por muitos a luta do século e a maior rivalidade da história do UFC.

Nesta luta, Anderson mostrou mais uma vez por que é considerado por muitos o maior artista marcial de todos os tempos. No primeiro assalto, apesar do domínio de Sonnen, que levou a luta pro chão e permaneceu montado até o final do round, desferindo vários golpes, socos e cotoveladas, Anderson demonstrou calma e serenidade, amarrando a luta até o final do assalto. No segundo round, Anderson utilizou de duas perfeitas esquivas desequilibrando Sonnen que caiu quando sua cotovelada giratória passou no vazio. No chão, sem saber o que fazer, Sonnen recebeu uma joelhada certeira no peito e, na sequência, diversos socos de Anderson, que culminaram no nocaute técnico de Sonnen.

Ao final da luta, Anderson surpreendeu, reverenciando o adversário e pedindo aos brasileiros presentes no MGM Grand Arena para aplaudir Chael.Depois convidou-o para um churrasco na sua casa, aceito pelo rival em tom cômico. Chael rendeu-se ao campeão e aos brasileiros, tomando uma atitude respeitosa, bastante diferente daquela que era habituado a tomar. Na entrevista após a luta, Anderson ainda queria fazer mais história no UFC. "Tenho muita motivação. O fato de estar aqui podendo fazer o que gosto. Todo mundo teve o privilégio de ver o que foi a pesagem. A gente nunca teve isso na história do UFC. E poder estar do lado desses caras que fazem história. Antes de eu pensar em lutar, Tito já estava aqui fazendo história".

Após a luta, o presidente Dana White rendeu-se ao campeão. "Ele é o meu lutador favorito de todos os tempos. É tão duro (no octógono) quanto é para se lidar com ele. Simplesmente adoro isso, adoro lidar com esse cara".


Em 2011, foi lançado um documentário chamado "Como Água", que contando toda a preparação do lutador para ganhar o cinturão do UFC. O filme foi premiado no Tribeca Film Festival como Melhor Direção.


A gestão da carreira de Anderson é mantida pela empresa 9ine, do ex-jogador Ronaldo Luís Nazário de Lima. Desde 1º de agosto de 2011, Anderson é lutador contratado do Corinthians, o qual é torcedor. Também é patrocinado pela rede de lanches Burger King e pela rede de calçados e roupas Nike.É patrocinado também pela cerveja americana Budweiser .

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Luizinho , O Pequeno Polegar .

  Em 1949, a torcida corintiana começou a chegar mais cedo ao estádio para ver a apresentação do time de aspirantes. O motivo era um garoto baixinho, abusado, que gostava de desmoralizar os adversários com dribles desconcertantes. O Pequeno Polegar .

Nasceu chamado  de  Luiz Trochillo,   Nascido  em  7 de março de 1930  ,  e criado na zona leste da  cidade de São Paulo-SP,   faleceu  em    São Paulo-SP , 17 de janeiro de 1998  , Luiz Trochillo  apelidado, devido à baixa estatura (1,65 metro)  , de O Pequeno Polegar .,  ganhou o apelido  em uma excursão que o Corinthians fez pela Europa em 1952 , em alusão a um personagem de uma fabula infantil onde um garoto “driblava” um ogro mal  ,  foi um jogador  de  futebol  brasileiro que teve histórica passagem pelo Corinthians.  Para muitos corintianos, é tido como o maior ídolo do clube.

Tecnicamente era um atacante que driblava com facilidade, ia ao fundo do campo com velocidade e fazia gols de cabeça, subindo mais do que os zagueiros, embora fosse baixo e frágil fisicamente, rápido e ágil evitava choques com zagueiros grandalhões. Extremamente abusado, tinha o costume de provocar os adversários, gesticulando com a mão chamando-os para um outro drible. Diz a lenda que, em um jogo contra o Palmeiras, ele aplicou sucessivos dribles no zagueiro argentino Luiz Villa, passando a bola entre suas pernas por diversas vezes, o que em uma delas o fez cair no chão. Então, Luizinho sentou-se na bola e o esperou levantar dando, assim, prosseguimento no lance.

O maior ídolo do timão de todos os tempos, seus numeros falam por si só, de diferente só um outro apelido, “Carrasco da porcada” ( na época “Carrasco do alviverde” ) fez 21 gols contra o Palmeiras.
Se o rótulo já fosse utilizado naquela época, certamente teria entrado na história como o primeiro "bad boy" da história do futebol brasileiro. A torcida corintiana deu-lhe o apelido de "O Pequeno Polegar".


"Se vendê-lo, a torcida me mata e incendeia o Parque São Jorge".

Com essa declaração, o então presidente do Corinthians, Alfredo Ignácio Trindade, explicou a decisão de não ceder um certo ponta-esquerda do elenco ao Atlético de Madrid por 1 milhão de dólares em meados da década de 1950. Mais do que isso, o dirigente demonstrou com todas as letras que nenhum valor, astronômico para a época, tiraria o prazer da torcida do Timão em se divertir com os espetáculos do pequeno Luizinho.

Luizinho começou no juvenil do Corinthians em 1943, vindo do Maria Zélia, tradicional clube da várzea paulistana. Passou para o profissional em 1949. Fez parte da genial equipe corintiana, que marcou mais de 100 gols no início dos anos 50, recorde até então. Formou um trio arrasador junto de Cláudio, "O Gerente" e Baltazar "O Cabecinha de Ouro".

Luizinho teve chances esporádicas no time principal em amistosos, nos anos de 1948 e 1949.

Porém sua grande oportunidade apareceu em 1950, quando ascendeu ao time de profissionais junto com uma leva de companheiros dos aspirantes, descobertos pelo técnico Rato, como o goleiro Cabeção e o ponta-direita Colombo. Por conta do estilo irreverente, logo caiu nas graças da torcida, que delirava principalmente quando ele ameaçava sentar na bola, diante do enorme médio argentino Luiz Villa, do Palmeiras.
Foi de Luizinho, de cabeça, o gol que deu o título de campeão paulista do IV centenário, em 1954, no empate de 1 x 1 diante do Palmeiras.

Titular absoluto do clube até o início dos anos 60, Luizinho saiu em 1963 quando foi emprestado ao Juventu por causa de um desentendimento com o então técnico Sylvio Pirillo. Voltou ao clube alvinegro em 1964, onde encerraria a carreira três anos depois.

Conquistou 21 títulos, entre eles, o Torneio Rio-São Paulo (1950, 1953 e 1954), Campeonato Paulista (1951 e 1952), o Campeonato Paulista do 4º Centenário, em 1954 e a Pequena Taça do Mundo, em 1953.

Mesmo após encerrar a carreira de jogador, Luizinho não se separou do futebol. Continuou ligado ao Corinthians, e por três vezes foi chamado para exercer a função de técnico tampão da equipe, ocasião que percebeu não ter vocação para comandante. Porém jamais se negou a assumir a equipe em momentos difíceis. Sua importância como treinador se dava mais pelo aspecto moral - ídolo dos anos 50 - que propriamente pela orientação tática.

Em 1994 foi homenageado pelo Corinthians com um busto seu no jardim do Parque São Jorge, honraria esta, que até então fora concedida somente a Neco, o primeiro ídolo do clube.

Em 1996 foi feita outra homenagem ao ídolo, aos 65 anos, Luizinho voltou aos gramados do Pacaembu, atuando por cinco minutos, em um amistoso contra o Coritiba que marcava a estréia do atacante Edmundo no Corinthians, tornando-se assim o jogador mais velho a defender a camisa do Corinthians em campo.

Luizinho tornou-se uma das figuras mais queridas do Corinthians e conta com algumas marcas que impressionam o torcedor. Foi dele o gol do título paulista de 1954, sobre o Palmeiras, no ano do 4º Centenário da cidade de São Paulo. É o algoz do arqui-rival Palmeiras, marcando 21 gols em confrontos contra o clube.

Luizinho também é o segundo jogador com maior número de partidas pelo Corinthians, com 605 jogos, o jogador só seria superado nos anos 80, pelo lateral esquerdo Wladimir, com a incrível marca de 803 partidas.

Tal qual Ademir da Guia, do Palmeiras, Canhoteiro, do São Paulo e Dirceu Lopes, do Cruzeiro, Luizinho ficou na lembrança dos torcedores de seu clube, mas não teve grandes oportunidades com a amarelinha. Mesmo assim "O Pequeno Polegar" defendeu a seleção brasileira em algumas oportunidades como em 1956 onde teve uma belissíma atuação em um jogo contra a Argentina, sendo, inclusive, o autor do gol da vitória brasileira que de quebra também daria o fim a um tabu de 10 anos sem vitórias brasileiras sobre os argentinos. Em outra oportunidade no mesmo ano em um jogo contra a Tchecoslováquia no Pacaembu, Luizinho com seus grandes dribles, deixou os beques adversários perdidos em campo, inflamando a torcida, maioria corintiana que havia ido ao jogo apenas para vê-lo jogar. Mesmo com todo seu talento acabou sendo preterido da convocação para a Copa do Mundo de 1958, desanimado Luizinho chegou a dizer que não vestiria mais a camisa da Seleção, dedicando-se dali pra frente apenas ao Corinthians. "O Pequeno Polegar" vestiu a camisa da Seleção Brasileira 11 vezes marcando um gol apenas.

Luizinho morreu em 18 de janeiro de 1998 aos 67 anos, devido a complicações respiratórias. Quase um ano após seu falecimento, o Sport Club Corinthians Paulista era campeão brasileiro, em 1998.

 André Ribeiro, para o Grandes Momentos do Esporte da TV Cultura.

Fiquei imensamente feliz quando descobri que esse especial sobre Luizinho estava disponível no Youtube.

Para mim esse programa, apesar de tantos outros documentários e reportagens especiais feitos durante os 13 anos em que trabalhei no departamento de Esportes da TV Cultura tem um significado extremamente especial. E aqui explico a razão.

O programa surgiu de um desafio que me foi proposto pela equipe do GME: conseguir uma entrevista com Luizinho, o Pequeno Polegar, figura que havia quase 20 anos não falava para nenhum veículo de comunicação. Muitos tentaram sem sucesso.

Você verá um Luizinho completamente diferente do que eu conheci antes das gravações.

Primeiro, para conseguir chegar a ele foi uma aventura que exigiu paciência e persistência. Durante uma semana, fiz praticamente um plantão nas imediações de sua casa. A informação era a de que Luizinho seria facilmente encontrado na praça que ficava ali, bem perto de sua residência. Todos os dias ele e vários aposentados passavam horas ali, jogando baralho, dominó e conversando sobre os bons tempos do ex-craque corintiano.

Mas a realidade foi bem outra. Quando descobriu que havia um repórter atrás dele tentando uma entrevista, Luizinho simplesmente desapareceu, da casa e da praça. Todos os dias, eu repetia o ritual: apertava a campainha de sua casa e conversava com um de seus filhos tentando convencê-lo de que o pai nos desse a tal entrevista. Nada feito. Até que um dia, talvez cansado da minha insistência, o filho me deu uma dica valiosa: “Você quer encontrar o meu pai? Então tem que ir a padaria que se localiza na esquina da av. celso garcia x Antonio de barros (padaria rio de janeiro) que fica próxima daqui. Ele toma café ali todos os dias”.

Quando dizem que todo repórter (ou produtor como neste caso) tem que ter também uma boa dose de sorte, o que aconteceu comigo foi exatamente isso. Cheguei bem cedo à padaria. Sentei-me em um banco qualquer próximo ao balcão e aguardei sua chegada comendo pão com manteiga e o tradicional “pingado”. Foram três dias de espera, até que Luizinho aparecesse. E a sorte conspirou porque o Pequeno Polegar, só mesmo Deus poderia explicar, resolveu sentar-se bem ao meu lado quando na padaria existiam vários outros lugares desocupados.

Após alguns minutos, puxei conversa com ele da maneira que muitos do bairro faziam: “Você não é o Luizinho, o Pequeno Polegar?”. Ele se virou para mim, e com aquela voz de italiano da Móoca e com toda a simplicidade e humildade que Deus lhe deu, respondeu: “Sou eu mesmo”. Para não assustá-lo, preferi não me identificar como o repórter que ele sabia estar a sua “caça” e de quem ele fugia nos últimos dias. Falamos sobre o Corinthians, sobre jogos do passado, sobre o grande craque que ele foi. Ficamos ali de prosa pelo menos uns 10 minutos. Suas respostas explicavam a razão de correr dos repórteres. Parecia rancoroso com o lugar que a história havia lhe reservado. Para ele, o Corinthians havia o esquecido completamente. E era a mais pura verdade.

Até que chegou o momento dele se despedir agradecendo a conversa. Foi quando disse a ele quem na verdade eu era: o tal repórter chato que estava em seu encalço, como um zagueiro adversário. Brinquei com ele com essa metáfora dizendo que agora sim entendia porque os zagueiros tinham dificuldade de marcá-lo. Surpreendentemente, ele sorriu. O mesmo sorriso que você verá ao longo do documentário. E, finalmente, sem perder aquele gesto de abertura, perguntei: “Podemos conversar sobre tudo isso que falamos aqui em sua casa?”.

E antes que respondesse, reforcei o pedido com o seguinte argumento: “Você não precisa me responder agora. Assista ao programa, no próximo sábado, o Grandes Momentos do Esporte, e veja como tratamos ex-jogadores como você”. Ele respondeu: “Eu conheço o programa. Vou pensar. Não sei se vale a pena mexer com essas coisas do passado”. Antes de ganhar o caminho da rua, de volta para os amigos da praça que ele finalmente poderia rever sem ser incomodado novamente, virou-se de repente e falou: “Passe amanhã lá em casa e a gente conversa”. Não era um sim definitivo, mas na manhã seguinte, estávamos lá com a equipe a postos para um possível sim dele para a gravação.


1ª parte do especial, Luizinho o Pequeno Polegar.

É neste momento que entra a participação sempre decisiva do repórter que fazia a maioria das grandes reportagens do programa: Helvídio Mattos, hoje, na ESPN Brasil. Helvídio tinha (e continua a ter) algo que cativava os entrevistados que nunca ninguém soube explicar. Quando tocamos a campainha da casa de Luizinho, ele se assustou e falou: “Mas o que é isso? Falei pra você vir aqui, mas o que é toda essa gente?”. Entramos eu e Helvídio para conversar com ele. Em meia hora conseguimos convencê-lo e a entrevista que havia 20 anos ele não dava começava a ser feita.

2ª parte do especial, Luizinho, o Pequeno Polegar.

É o que você pode conferir aqui neste post. Tornei-me grande amigo de Luizinho, uma amizade que até hoje me emociona, pelo carinho e respeito que ambos passaram a ter um pelo outro. O resultado final do programa realmente foi magnífico, mas alguns detalhes fizeram com que eu e ele nos tornássemos tão amigos, mesmo que sempre “distantes”. Durante a gravação, você que assistir ao programa perceberá que no fundo do local onde ele está sentado existe um armário de madeira. Tínhamos o hábito de sempre pedir aos entrevistados material gravado em filmes antigos. Luizinho respondeu assim ao nosso pedido: “Tem uns rolinhos ali naquela gaveta. Pode levar, só me tragam de volta porque não faço nem idéia do que tenha aí”. Quando copiamos o material, descobrimos que os tais “rolinhos” eram a festa de casamento dele e imagens inéditas de um amistoso que o Corinthians fez na Alemanha, contra o Bayer, em 1959. Até aquele dia, as imagens de Luizinho em campo, jogando, driblando, correndo pra lá e pra cá, mostrando o seu talento, eram raríssimas. Um filme com aquela qualidade então nem se fale. Até ele se emocionou em rever aquelas cenas.

3ª parte do especial, Luizinho, o Pequeno Polegar.

No final da gravação também há um momento marcante para todos da equipe que participaram das gravações e para ele, Luizinho. Ele aceitou nosso convite de ir até o estádio do Pacaembu para gravarmos algumas cenas dele. Havia anos que Luizinho não pisava novamente naquele gramado. Sua reação, você poderá comprovar ao assistir o programa, foi pura emoção. Sem pedir nada a ele, Luizinho levantava os dois braços para as arquibancadas vazias do Pacaembu, como se pedisse para que todos se levantassem em reverência a ele. Uma reação espontânea que nos deixou impressionados, porque para ele, Luizinho, parecia existir ali, todas sentadas, as quase 50 mil pessoas que costumavam aplaudi-lo aos domingos. A sensação para nós que acompanhávamos a cena era a de que Luizinho realmente estava vendo essas milhares de pessoas. E isso, ele me confidenciou mais tarde: “Elas estavam ali mesmo”...

 4ª parte do especial, Luizinho, o Pequeno Polegar.

Nunca mais me esqueci dessa cena e suas palavras. E como uma forma de homenageá-lo, prometemos que lhe faríamos uma surpresa. Fomos atrás de caminhos para que a diretoria corintiana da época lhe prestasse uma homenagem, como por exemplo, a construção de um busto para ser colocado no Parque São Jorge. Sensíveis ao apelo, a direção corintiana não teve dúvidas e o busto está lá, desde 1994 e até hoje.

                                     5ª parte do especial, Luizinho, o Pequeno Polegar.

Mas o momento mais marcante para mim, como produtor e repórter foi ter dele, Luizinho, a humildade da gratidão. Logo dele, um ídolo que jamais precisaria ter de pedir por isso. Todos os finais dos poucos anos que ele teria de vida pela frente (a entrevista foi gravada e exibida em 1993 e ele morreu cinco anos depois), Luizinho sempre me ligava para me desejar boas festas e agradecer o que fizemos por ele. Não adiantava lhe dizer que aquilo não precisava ser feito pois tudo que acontecera, ou seja, reverenciá-lo eternamente, era mais do que obrigação, nossa e de toda a mídia. E o Pequeno Polegar nunca deixou de ligar.

Busto de Luizinho, no Parque São Jorge.

Em 1996, ele recebeu outra homenagem inesquecível. Na estréia de Edmundo com a camisa 8 do Corinthians, Luizinho jogou 5 minutos entre os titulares.

Para ele, certamente, não só pisar, mas jogar novamente no Pacaembu lotado foi eterno.

                                    O reencontro de Luizinho com a FIEL torcida.

Até que o dia 17 de janeiro de 1998 se tornasse um dos dias mais tristes de minha vida como repórter e ser humano.

Eu estava em férias, com a família, na praia do Guarujá, litoral sul de São Paulo. O telefone tocou e um amigo sabendo do carinho e respeito que tinha por Luizinho falou com jeito: “Se prepare, tenho uma notícia triste. O Pequeno Polegar morreu”.

Há coisas inexplicáveis na vida de um homem. Para mim que já havia sofrido recentemente a dor da perda do próprio pai (falecido em 1992), sentir novamente aquele mesmo vazio incrível pela perda de uma pessoa seria impossível. Mas não...ela voltou a acontecer. Criou-se entre nós algo que a maioria dos seres humanos esquecem na vida: o respeito e a admiração. Buscando na memória naquela fração da dor pela notícia recebida, lembrei-me da resposta que ele me dera a primeira vez quando lhe perguntei porque ele tornara-se tão grato a mim pelo programa, a homenagem do busto, etc...E sua resposta explica a dor que senti: “Você fez algo por mim que nem minha família e amigos próximos conseguiram fazer. Você me trouxe de volta a vida. Agora eu posso morrer feliz”.

Quem poderia se esquecer de algo assim e não sofrer por tal perda? Luizinho havia me confidenciado que chegara a perder parte do estômago devido às decepções sofridas com o esquecimento corintiano, pelo menos até o dia em que decidimos entrevistá-lo e transformar aquele encontro no especial que você vai assistir aqui.

Um momento eterno. Um craque e homem que descansa em paz porque em vida pode reviver com honra e orgulho tudo aquilo que fez pelo time que tanto amava.

domingo, 15 de julho de 2012

Atriz Maria Padilha

A   Atriz Maria Padilha  é  hoje  a  maior  atriz  nos  palcos  brasileiros  ,  e  em  lingua  portuguesa  sua  melhor  interprete  ,  muitos  falam  de  outras  profissionais  ,  mas  Maria  Padilha  é  de  fato  UNICA  ,  com  amplo  dominio  da  lingua  portuguesa  ,  que  chega  a  assustar  ,  ela  com  sua  beleza  singular  se  torna   uma  estrela  de  maxima  grandeza   em  qualquer  palco  ,  embora  muito  prejudicada  na  TV  ,  por  problemas  tecnicos  como  tomadas  de  cenas  ,  onde  diretores  e  cameras  man  desconhecem  certas  tecnicas  para  obter-se  o  maximo ,  o  melhor  de  uma  profissional  como  Maria  Padilha  ,   ela  domina  cenas  ,  dialogos  e  torna-se  unica  ,  para  delirio  de  fans.  Ela  que  tem centenas  de  trabalhos  realizados  ,  é  definitivamente  fantastica  ,  quando  escrevi  sobre Zarah Leander  e  vendo  o  video  onde  ela  interpreta  a  canção  "kann denn liebe sünde sein?"   ,   http://www.youtube.com/watch?v=0zDL4j9haQ0&feature=player_embedded#! /   ,   ficou  impossivel  não  lembrar  de  Maria  Padilha  ,  acredito  que  o  lindo  olhar  em  cena  de  Zarah Leander  vive  hoje  em  Maria  Padilha  .

 Atriz  Maria Padilha Gonçalves, conhecida por Maria Padilha (Rio de Janeiro, 8 de maio de 1959)

 Fundadora e integrante do grupo Pessoal do Despertar, é intérprete assídua no teatro, muitas vezes assumindo o papel de idealizadora e produtora dos projetos em que atua.
A atriz já foi casada com o diretor Paulo Reis, com o poeta Geraldo Carneiro e com o ator inglês Adam Kotz, mas, no papel, só com o iluminador Orlando Schaider, 37 anos, seu marido há dois anos.  .

Maria Padilha Gonçalves começou a fazer teatro em 1976 como uma das pupilas de Maria Clara Machado no Tablado. 

Faz sua formação em cursos livres e inicia a carreira atuando em infantis. Em 1979, está em O Despertar da Primavera, de Frank Wedekind, com direção de Paulo Reis. A montagem dá origem ao grupo Pessoal do Despertar, do qual participa ativamente atuando e produzindo em todos os espetáculos. Em 1982, atua em Quero, de Manuel Puig, com direção de Ivan de Albuquerque. No ano seguinte, projeta-se em O Círculo de Giz Caucasiano, de Bertolt Brecht, último espetáculo do Pessoal do Despertar, e participa de Apenas Bons Amigos, colagem de textos com direção de Antônio Pedro. 

Sob a direção de Aderbal Freire-Filho, integra o elenco de As You Like It ou Uma Peça Como Você Gosta, de William Shakespeare, 1985. Em 1986, atua em Amor por Anexins, de Artur Azevedo, com direção de Luis Antônio Martinez Corrêa, e destaca-se no espetáculo A Bandeira dos Cinco Mil Réis, de Geraldo Carneiro, com direção de Aderbal Freire Filho, em que realiza também a produção. 

A crítica Marília Martins considera que a atriz diferencia com muita perícia os quatro personagens que desempenha, usando da voz ao gesto para uma composição "de comunicação direta e humor certeiro".  O crítico Macksen Luiz identifica na atriz um constante crescimento artístico: "(...) Maria Padilha amadurece a cada nova montagem. A diferença que estabelece entre a Isabel jovem e a mais velha já seria suficiente para confirmar este amadurecimento. As composições como a Índia e como Canhori são extremamente cuidadas". 

Em 1987, novamente dobrando função, faz Lucia McCartney, adaptação de Geraldo Carneiro para o romance de Rubem Fonseca, com direção de Miguel Falabella. Em 1989, realiza Lulu, de Frank Wedekind, com direção de Naum Alves de Souza. 

Seguem-se La Ronde, de Arthur Schnitzler, 1991, e No Coração do Brasil, de Miguel Falabella, 1992. Em 1994, interpreta a moribunda de Nelson Rodrigues em A Falecida, com direção de Gabriel Villela. A crítica Barbara Heliodora nota que "Maria Padilha tem atuação muito superior a seus trabalhos anteriores e faz uma Zulmira marcante".

 Macksem Luiz, por sua vez, comenta: "Sobre Maria Padilha recai a maior responsabilidade de circular pela ritualidade e pelo melodrama que o encenador impõe. A atriz sustenta com vigor o plano ritual (...)".

Em 1996, atua em O Mercador de Veneza, de William Shakespeare, com direção de Amir Haddad. Em 1999, interpretando a Macha de As Três Irmãs, de Anton Tchekhov, com direção de Enrique Diaz, divide o palco com Julia Lemmertz e Cláudia Abreu. No mesmo ano, assume a direção artística do Teatro Glória. Em 2001, atua ao lado de Pedro Cardoso em Mão na Luva, de Oduvaldo Vianna Filho, novamente com direção de Amir Haddad.

Ao longo de sua carreira, Maria Padilha atua eventualmente em televisão, mas não esconde que o teatro é seu maior objetivo. 
TV destacou-se em novelas da Rede Globo como Mico Preto, O Dono do Mundo, O Cravo e a Rosa e Mulheres Apaixonadas.
Nos créditos da novela Água Viva, exibida em 1980, aparecia lá, discretamente, um nome um tanto longo e ainda desconhecido. Só chegou à tevê quatro anos depois em um papel nada diferente da sua realidade: uma jovem do Posto 9 de Ipanema, que passava horas jogada na areia. 

Foi durante as gravações de Água Viva que a atriz viveu uma das situações mais inusitadas. Com Tônia Carrero, Maria Zilda e Glória Pires, ela gravaria uma simulação de um topless, a febre daquele verão. Os freqüentadores de Ipanema, sempre tidos como liberais, repreenderam as atrizes, que usavam um adesivo nos seios. “Quando perceberam que faríamos topless, nos expulsaram jogando latas e areia”, lembra a atriz. “Acabamos por gravar em São Conrado, na época bem menos badalada.”

Nesses  anos que se seguiram, Maria Padilha aposentou o Gonçalves do sobrenome e se destacou nas novelas O Dono do Mundo e O Cravo e a Rosa. Hoje,  ela viveu a Hilda de Mulheres Apaixonadas. Mas é com o palco que Maria Padilha sempre viveu uma paixão sem limites. 

Obstinada em montar A Falecida, de Nelson Rodrigues, Em 1994, surpreende o público ao aceitar posar nua para uma revista , foi capa da revista Playboy em março de 1994,  e declarar que o faz para pagar a produção de A Falecida.. Com o cachê, viveu a grande personagem de sua carreira. E ninguém reclamou ou pensou em jogar latas na atriz depois do que viu.

Consagrada no teatro permanece ligada às suas origens de vanguarda produzindo espetáculos com diretores jovens ou à margem do mercado, na busca de novas e inusitadas experiências cênicas. 

Maria Padilha  19/04/2011 
“Não me levo a sério”

Em cartaz no Rio de Janeiro com o espetáculo A Escola do Escândalo, a atriz Maria Padilha diz que aprendeu a superar suas perdas com bom humor e revela que está, há dois anos, na fila de espera para adotar uma criança

Maria Padilha é boa de assunto, de risos e de gestos. Mas é só entrar na mira da máquina fotográfica que surge outra mulher, mais contida. Assumidamente reservada, ela parece ser o oposto da ex-camponesa deslumbrada Rosália, que interpreta em A Escola do Escândalo, peça dirigida por Miguel Falabella em cartaz no Rio, cuja história gira em torno de uma série de intrigas e critica o interesse sobre a vida alheia. “Sou péssima fofoqueira”, diz a atriz, de 51 anos. Em um bate-papo em seu confortável apartamento na Lagoa, no Rio, ela revela que leva a vida com bom humor, mesmo nas horas mais difíceis, como a morte da mãe, quando ela tinha 10 anos, e a do pai e a da irmã, em 2005, em um intervalo de quatro meses. “É uma estratégia de sobrevivência”, afirma ela, que foge do papel de vítima. “Prefiro rir de mim mesma. Eu me acho ridícula, não me levo muito a sério.” 

Sem fazer uma novela inteira desde 2003, quando atuou em Mulheres Apaixonadas, Maria fez uma participação especial em dois capítulos de Insensato Coração como Marlene, uma das namoradas do conquistador Teodoro, papel de Tarcísio Meira. O sumiço da TV tem a ver com um desejo antigo: ter um filho. “Estou tentando adotar uma criança. Não posso fazer uma novela, chegar um bebê e eu não saber o que fazer. Estou há dois anos numa fila”, afirma.

A seguir, ela fala sobre trabalho, vaidade e conta como está se preparando para ser mãe: “Espaço na casa eu tenho bastante. No coração, sempre tive”. 

  Por que passou a fazer menos novelas? 

MARIA PADILHA: Tive convites maravilhosos, mas ou tinha um projeto de teatro ou coincidia com um filme. Também estou tentando adotar uma criança. Não posso fazer uma novela, chegar um bebê e eu não saber o que fazer. Estou há dois anos numa fila. Achei que você conseguia o certificado e pronto. Então, algumas novelas deixei de aceitar porque tinha acabado de conseguir o certificado. Quero uma criança que tenha até 4 anos. Isso é difícil à beça no Brasil. É uma burocracia nojenta. 

"No colégio, o professor falava: ‘sua caderneta não está assinada’. Eu respondia: ‘meu pai viajou’. Ele perguntava: ‘ e sua mãe?’. E eu dizia que ela morreu. Sabia que ia causar constrangimento e seria liberada."

  Não quis engravidar? 

MP: Foi uma opção durante algum tempo. Depois, acho que já não tinha um casamento firme para ter um filho. Nunca quis produção independente. Talvez idealizasse uma situação, exatamente por ter perdido a mãe cedo. Pensei que tinha que ser mãe, pai e filho. Pensei demais, calculei demais e deixei passar. 

Como se prepara para ser mãe? 

MP: Espaço na casa eu tenho bastante. No coração, sempre tive. 

Sente-se grávida? 

MP: É como se fosse uma gravidez, mas longa. Pensei que seria mais curta (risos). Eu fico toda hora pensando e preparando. Imaginando se a escada da casa não vai ser perigosa... Mas a justiça brasileira é preguiçosa. Não sonhei com nada porque estou muito aberta para o que vier. Escolhi que (a criança) tenha até 4 anos para eu poder influenciar e ajudar a formar sua personalidade. 

  Querer ter um filho tem a ver com carência? 

MP: Acho que tem vários tipos de amor. Tem um amor que é de criar. Você não vai conseguir colocar numa peça, numa casa, no marido. E um tipo de amor para filho, mesmo. 

  Durante a sessão de fotos para esta entrevista você ficou tímida... 

MP: É que estou sem personagem. Com personagem sou uma macaca, mas sou tímida. Antigamente eu era uma ostra. Hoje, entre amigos íntimos, posso até ser engraçada, histriônica. Mas tenho muito senso de humor, o que é fundamental. 

  O senso de humor a ajudou? 

MP: É uma estratégia de sobrevivência e funcionou desde cedo sem eu saber. Tive uma perda muito grande: minha mãe, que morreu quando eu tinha 10 anos. Lembro que, no colégio, o professor falava: “Sua caderneta não está assinada”. Eu respondia: “Meu pai viajou”. Ele perguntava: “E sua mãe?”. E eu dizia que ela morreu. Sabia que ia causar constrangimento e seria liberada. Não gosto do lugar da vítima. Prefiro rir de mim mesma. Eu me acho ridícula, não me levo muito a sério. 

  Quando se sente ridícula? 

MP: O ator, em geral, é meio ridículo. Essa coisa do ego, do autocentramento. Somos fugazes. Isso angustia muito e nos torna ridículos. 

  Uma atriz que se comporta como diva é ridícula? 

MP: Todas temos momentos de divas ridículas, mas acho que esse papel não rende. O que é uma diva? Aquela que entra no camarim, dá piti e rasga o figurino. Aqui, se rasgar o figurino, não há dinheiro para outro. Aqui, só dá para ser uma diva-fubá (risos). 

  Em 2005, você perdeu seu pai e sua irmã num intervalo de quatro meses. Conseguiu superar essa dor? 

MP: É uma cicatriz que vai estar sempre lá. O ser humano é capaz de sobreviver a coisas incríveis. Mais cedo ou mais tarde, passa. 

  Você demonstra não ter dificuldade para solucionar seus problemas. 

MP: Faço análise há muito tempo, até por curiosidade. Assim como investigo um personagem, também é interessante investigar a personagem Maria. 

  Em sua primeira novela, Água Viva (1980), você foi expulsa da praia por curiosos porque gravaria uma cena de topless. O Brasil está menos careta? 

MP: Não mudou e está mais. O mundo entrou nesse lance de politicamente correto, que é muito careta. As pessoas achavam que era proteção, que não haveria mais discriminação racial, mas na prática não é assim. O brasileiro é muito estranho, pode ir com um fiozinho no peito e na bunda que está vestido. Mas, sem nada, não pode. 

"O ator, em geral, é meio ridículo. Essa coisa do ego, do autocentramento. Somos fugazes. Isso angustia muito e nos torna ridículos."

   A sociedade ficou mais chata? 

MP: Ficou muito mais, mas vai mudar. Os mais jovens não têm paciência com o politicamente correto. Acho o politicamente correto uma burrice. Uma novela como Vale Tudo tem outro sabor, excelência no texto. Parece que a novela era levada mais a sério, até porque o autor estava mais livre para falar o que quisesse. Hoje, existe uma censura velada. Da sociedade mesmo. 

  Para realizar o sonho de montar A Falecida, de Nelson Rodrigues, você posou nua para a Playboy, em 1994. Arrependeu-se? 

MP: Não, as fotos são bonitas. Ia ter patrocínio e não rolou. Estava obcecada, já tinha virado a Zulmira (personagem da peça). Hoje, olhando para trás, acho que estava meio louca (risos). 

  A peça A Escola do Escândalo trata da exposição da vida particular. O que acha do interesse pela intimidade dos artistas? 

MP: Não gosto de fofoca e sou péssima fofoqueira. Às vezes, até quero contar uma história, mas sou muito imprecisa. Tenho preguiça. Aí, resumo e perde a graça. 

 O que você faz para se proteger da exposição? 

MP: Faço tudo que posso para me proteger, mas não me privo de nada. Vou ao restaurante que quero, mas sei que talvez vá aparecer numa foto. 

  Você se prepara para não sair mal na foto? 

MP: Gosto de andar de qualquer jeito, mas, em alguns lugares, como em estreias, não dá. Sei que vou enfrentar um batalhão de fotógrafos. Mas não vou ser hipócrita, claro que faço uma maquiagem melhor e escolho um vestidinho. Por causa dessa produção e porque acho que não é o melhor dia de ver um espetáculo, é raro eu ir. Só vou se algum amigo pede muito. 
  É vaidosa? 

MP: Chegava a ser desleixada. Não tinha saco, nem o mínimo cuidado, mas mudei. Minha vaidade é bem administrada. Faço ginástica e tenho uma alimentação bem legal. 

  Já fez plástica? 

MP: Fiz cirurgia de desvio de septo e mexi na ponta do nariz. A minha vaidade é muito voltada para minha profissão, começou depois que comecei a fazer novela. Mas me arrependi um pouco. Depois que mexeu na cartilagem, o nariz ficou um pouco dolorido e hoje parece que voltou a ser como era antes.